Branca de Neve e Rosa Vermelha



Branca de Neve e Rosa Vermelha O conto

Um conto de fadas dos Irmãos Grimm
7.8/10 - 130 votos
Branca de Neve e Rosa Vermelha


Uma pobre viúva vivia isolada numa pequena cabana. Em seu jardim havia duas roseiras: em uma florescia rosas brancas, e, na outra, rosas vermelhas. A mulher tinha duas filhas que se pareciam com as roseiras: uma chamava-se Branca de Neve; a outra Rosa Vermelha. As crianças eram obedientes e trabalhadeiras. Branca de Neve era mais séria e mais meiga que a irmã. Rosa Vermelha gostava de correr pelos campos; Branca de Neve preferia ficar em casa ajudando a mãe. As duas crianças amavam-se muito e quando saíam juntas, andavam de mãos dadas...

Elas passeavam sozinhas na floresta, colhendo amoras. Os animais não lhes faziam mal nenhum e se aproximavam delas sem temor. Nunca lhes acontecia mal algum. Se a noite as surpreendia na floresta elas se deitavam na relva e dormiam.

Uma vez, passaram a noite na floresta e, quando a aurora as despertou, viram uma linda criança, toda vestida de branco sentada ao seu lado. A criança levantou-se, olhou com carinho para elas e desapareceu na floresta. Então viram que tinham estado deitadas à beira de um precipício e teriam caído nele se houvessem avançado mais dois passos na escuridão. Contaram o fato à mãe que lhes disse ser provavelmente o anjo da guarda que vigia as crianças.

As meninas mantinham a choupana da mãe bem limpa. Durante o verão, era Rosa Vermelha que tratava dos arranjos da casa e no inverno, era Branca de Neve. Á noite, quando a neve caía branquinha e macia, Branca de Neve fechava os ferrolhos da porta.

À noite sentavam perto da lareira e enquanto a mãe lia em voz alta num grande livro as mãozinhas das meninas fiavam; aos pés delas, deitava-se um cordeirinho, e atrás, em cima do poleiro, uma pomba muito branca dormia com a cabeça entre as asas.

Uma noite, quando estavam assim tranqüilamente, ouviram bater à porta e a mãe mandou Rosa Vermelha abrir a porta pois devia ser alguém procurando abrigo.

Ao abrir a porta Rosa Vermelha ... um enorme urso que meteu a grande cabeça ... através da abertura da porta. Ela soltou um grito e correu para o quarto; o cordeirinho pôs-se a balir, a pomba a voar, e Branca de Neve se escondeu atrás da cama da mãe.

-Não tenham medo, - falou o urso - Estou gelado me deixem aquecer perto da lareira.

-Pobre animal, disse a mãe, - chega perto do fogo, mas cuidado para não se queimar.

Então a mãe chamou as meninas. Elas voltaram e, pouco a pouco, aproximaram-se o cordeirinho e a pomba, sem medo.

-Meninas, disse o urso –por favor tirem a neve que tenho nas costas!

As meninas pegaram a vassoura e limparam o seu pelo; em seguida, o urso estendeu-se diante do fogo, grunhindo satisfeito. Não demorou muito, ela puseram-se a brincar com ele. Puxavam o pelo com as mãos, trepavam nas suas costas ou batiam nele com uma varinha de nogueira. Ele só reclamou quando elas se excederam.

- Rosa Vermelha e Branca de Neve, ele disse – tratem o pretendente como se deve!

Quando chegou a hora de dormir e as meninas foram deitar-se, a mãe disse ao urso:

-Fique perto do fogo e você estará ao abrigo do frio e do mau tempo.

Logo que amanheceu, as meninas abriram a porta ao urso e ele se foi para a floresta, trotando sobre a neve. A partir desse dia, ele voltou todas as noites, à mesma hora. Estendia-se diante do fogo e elas brincavam com ele.

Chega a primavera e tudo se cobre de verde, então o urso disse a Branca de Neve que tinha que ir embora e não voltaria durante o verão, pois tinha que proteger seus tesouros dos maus anões. No inverno eles permaneciam nas tocas; mas quando o sol derrete a neve eles saem e roubam tudo o que podem; escondendo em suas cavernas.

Ela ficou muito triste e quando abriu a porta para o urso passar, ele esfolou a pele na lingüeta da fechadura, e Branca de Neve viu o brilho de ouro, mas não teve certeza.

Algum tempo depois, a mãe mandou as meninas apanharem gravetos na floresta. Lá chegando, viram uma árvore caída ao solo, e no tronco, entre a relva, qualquer coisa se agitava, pulando de um lado para o outro. Ao se aproximaram, viram um anão de rosto acinzentado, envelhecido e enrugado, com uma barba branca muito comprida. A ponta da barba estava presa numa fenda da árvore. Ao vê-lo Rosa Vermelha perguntou como sua barba ficara presa na árbore.

-Sua estúpida!- respondeu o anão; - eu quis partir esta árvore para ter lenha miúda na cozinha, porque, com pedaços grandes, o pouco que pomos nas panelas queima logo; nós não precisamos de tanta comida como vocês, gente estúpida e glutona! Tinha introduzido a minha cunha no tronco, mas a maldita madeira é muito lisa, a cunha saltou e a árvore fechou-se tão depressa prendendo minha linda barba. Riem suas bobonas!

As meninas fizeram muitas força para livrar o homenzinho, mas não conseguiram desprender a barba, então Rosa Vermelha disse que precisariam de ajuda.

-Suas burras, - estrilou o anão, - Chamar mais gente? Não podem ter uma idéia melhor?

-Não fique nervoso, - disse Branca de Neve. - Vou resolver isto.

Tirou do bolso uma tesourinha e cortou a ponta da barba. Ao se ver livre, o anão agarrou um saco cheio de ouro oculto nas raízes da árvore e, pôs às costas, sem agradecer, saiu resmungando:

-Suas brutas! Cortaram-me a ponta de minha barba! O diabo que vos recompense!

Passado algum tempo, Branca de Neve e Rosa Vermelha foram pescar peixes para o jantar. Quando chegaram perto do rio, viram uma espécie de gafanhoto grande saltitando à beira d'água. Correram até lá e reconheceram o anão.

Rosa Vermelha perguntou; - você não quer se jogar na água?

-Não sou tão burro! - gritou o anão. – É esse maldito peixe que me arrasta para a água.

Para pescar o anão lançou a linha, mas o vento enroscou sua barba na linha e, nesse momento, um grande peixe mordeu a isca do anzol e suas forças não eram suficientes para mantê-lo fora da água, mesmo agarrando-se aos ramos.

As meninas seguraram o anão para desembaraçar sua barba, mas foi necessário usar mais uma vez à tesourinha e cortar outro pedaço da barba. Ele gritou, zangado:

-Isso é modo, suas patas chocas, de desfigurar a cara de uma pessoa? Já não bastava cortarem minha barba da outra vez, agora cortaram a parte mais bonita!

Pegando um saco de pérolas, escondido numa touceira ele sumiu atrás de uma pedra.

Pouco tempo depois, a mãe mandou as meninas à cidade comprar linha, agulhas, cordões e fitas. O caminho serpeava por uma planície de rochedos. Lá viram um grande pássaro pairando no ar, que depois de descrever um círculo cada vez menor, foi descendo, até cair sobre um rochedo não muito distante. No mesmo instante ouviram um grito. Correram e viram com horror que a águia segurava nas garras o seu velho conhecido, o anão, e se dispunha a carregá-lo pelos ares. As meninas seguraram o anão com todas as forças, e puxa de cá e puxa de lá, por fim a águia teve de largar a presa. Quando o anão voltou a si do susto, gritou-lhes com voz esganiçada:

-Não podem me tratar com mais cuidado? Estragaram o meu casaco! Suas, palermas!

Depois pegou um saco cheio de pedras preciosas e deslizou para dentro da toca, entre os rochedos.Sem se incomodar com sua ingratidão, elas foram pra cidade.

Ao regressarem pela floresta, elas surpreenderam o anão, que tinha despejado o saco de pedras preciosas num lugar limpinho. Os raios do sol caiam sobre as pedras, fazendo-as brilhar tanto, que as meninas, deslumbradas, pararam para as admirar.

-Que fazem aí de boca aberta? - berrou o anão; seu rosto acinzentado estava vermelho de raiva. Ia continuar xingando, quando se ouviu um grunhido surdo e, um enorme urso negro saiu da floresta.

O anão deu um pulo de medo, mas não teve tempo de alcançar um esconderijo: o urso cortou-lhe o caminho. Então ele implorou:

-Querido urso eu lhe darei todos os meus tesouros! Deixe eu viver! Você nem me sentirá entre seus dentes. Pegue essas duas meninas gordinhas para o seu estômago!

O urso não ouviu suas palavras; deu-lhe uma forte patada que o estendeu no chão.

As meninas fugiram, mas o urso chamou os seus nomes e elas reconheceram a sua voz e pararam. Quando o urso as alcançou, caiu a sua pele e, surgiu um formoso rapaz, todo vestido de trajes dourados.

-Sou filho de poderoso rei, - disse ele - este anão mau me condenou a vagar pela floresta sob a forma um urso depois de ter roubado os meus tesouros e só com sua morte eu poderia me libertar.

Branca de Neve, pouco tempo depois, casou com o príncipe e Rosa Vermelha com seu irmão. Partilharam, entre todos, os tesouros que o anão tinha acumulado na caverna e a velha mãe viveu ainda muitos anos tranqüila e feliz junto de suas queridas filhas e as duas roseiras que foram plantadas diante da janela dos seus aposentos. E todos os anos elas continuaram a dar as mais lindas rosas brancas e vermelhas.


*     *     *     *     *

0.00
grimmstories.com
pdf pdf imprimir imprimir





Comparar duas línguas:

Classificação (Aarne-Thompson):

Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) - Snehvid og Rosenrød (DANSK) Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) - Schneeweißchen und Rosenrot (DEUTSCH) Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) - Snow-White and Rose-Red (ENGLISH) Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) - Blancanieve y Rojaflor (ESPAÑOL) Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) - Blanche-Rose et Rose-Rouge (FRANÇAIS) Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) - Biancaneve e Rosarossa (ITALIANO) Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) - Sneeuwwitje en Rozerood (NEDERLANDS) Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) - Śnieżka i Różyczka (POLSKI) Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) - Белоснежка и Алоцветик (РУССКИЙ) Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) - Karbeyazı ile Gülkırmızısı (TÜRÇKE) Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) - Bạch Tuyết và Hoa Hồng (TIẾNG VIỆT) Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) - 白雪与红玫 (中文) Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) - 雪白と薔薇紅 (日本語) Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) - Nalba si Rasura (ROMÂNĂ) Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) - Lumivalko ja Ruusunpuna (SUOMI) Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) - Hófehérke és Rózsapiros (MAGYAR) Snehvid og Rosenrød (DANSK) - Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) Schneeweißchen und Rosenrot (DEUTSCH) - Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) Snow-White and Rose-Red (ENGLISH) - Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) Blancanieve y Rojaflor (ESPAÑOL) - Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) Blanche-Rose et Rose-Rouge (FRANÇAIS) - Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) Biancaneve e Rosarossa (ITALIANO) - Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) Sneeuwwitje en Rozerood (NEDERLANDS) - Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) Śnieżka i Różyczka (POLSKI) - Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) Белоснежка и Алоцветик (РУССКИЙ) - Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) Karbeyazı ile Gülkırmızısı (TÜRÇKE) - Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) Bạch Tuyết và Hoa Hồng (TIẾNG VIỆT) - Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) 白雪与红玫 (中文) - Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) 雪白と薔薇紅 (日本語) - Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) Nalba si Rasura (ROMÂNĂ) - Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) Lumivalko ja Ruusunpuna (SUOMI) - Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS) Hófehérke és Rózsapiros (MAGYAR) - Branca de Neve e Rosa Vermelha (PORTUGUÊS)









Donations are welcomed & appreciated.


Thank you for your support.