Elsie, a sensata

Elsie, a sensata

Era uma vez um homem que tinha uma filha que se chamava Elsie, a sensata. E quando ela já tinha crescido o pai dela falou, Nós vamos casá-la. Sim, disse a mãe, se encontrarmos alguém que queira desposá-la. Finalmente, apareceu um homem que morava muito longe e começou a cortejá-la, ele se chamava Hans; mas sua única exigência era que a sensata Elsie fosse realmente inteligente. Oh, disse o pai, ela é muito perspicaz; e a mãe dizia, Oh, ela consegue ver o vento caminhando pelas ruas, e ouvir as moscas tossindo. Bem, disse Hans, se ela não for verdadeiramente inteligente, não irei desposá-la. Quando eles já estavam sentados para jantar e haviam comido, a mãe falou, Elsie, vá até o depósito e traga um pouco de cerveja. Então, Elsie, a sensata, pegou o jarro que estava na parede, foi até onde guardavam a cerveja, e ia batendo levemente na tampa a medida que caminhava para que o tempo passasse rápido. Tendo chegado lá embaixo ela pegou uma cadeira, e a colocou diante do barril para que ela não precisasse inclinar-se, para não machucar a costa ou para que não se machucasse inadvertidamente. Então, ela colocou o vasilhame na frente, e abriu a torneira, e quando
7.9/10 - 38 votos






Os mais belos contos de Grimm